Wednesday, January 23, 2008

JANTAR

Se estiver com fome, o meu boneco costuma ser o primeiro a sentar-se à mesa, mal o jantar está pronto.
Depois o papá que vai arranjando a comida, tira as espinhas ao peixe ou corta a carne em pedaços pequenos para eles. Sempre foi assim, é algo natural que nunca se discutiu quem faria. E ainda bem que ele faz que eu não gosto nada.
Trago o resto do que falta para a mesa e começo a chamar a amorinha.

Quando tudo está pronto vou buscá-la pela mão e há sempre alguma coisa que ela precisa fazer antes de se sentar à mesa, seja por um DVD para ver, ir buscar um boneco, arrumar qualquer coisa, procurar um livro... e eu começo a irritar-me, mas disfarço e convenço-a a sentar-se na sua cadeira.
Tem de ser ela a subir para a cadeira SOZINHA, se a ajudo volta a descer para subir SOZINHA! “A mana xózhinha!”

Sento-me ao lado dela, uma garfada na minha comida enquanto ela acaba de se ajeitar na cadeira. Uma garfada de arroz para ela, que quer “peixinho” (que por acaso geralmente até é carne), mudo para o “peixinho” que ela come enquanto pede chá.
Lembro o mano que tem de comer pois está com o olhar suspenso na televisão (e a “mastigação” também), sejam desenhos animados ou o DVD que a mana pôs e que ela “até nem queria porque já não gosta do Noddy nem do Ruca”.
Ela bebe o seu chá verde e dou-lhe mais comida. Nos intervalos vou comendo.

O mano a meio da refeição começa a negociar, que não quer mais, que só come mais um pedaço de carne, ou uma colher de arroz, que quer sugus, enfim... depois de chegarmos a acordo acaba de comer e pede para sair da mesa. É assim todos os dias, vai ser um bom negociante quando crescer.

Depois é o pai que acaba e vai supervisionar os trabalhos de casa do filho e os jogos no computador depois destes terminados.

Vou arrumando a mesa enquanto lhe dou mais umas colheradas de comida.
Ela vai mastigando e eu entre lavar um prato e outro venho à sala dar-lhe mais comida.
Sem paciência pergunto-lhe se não quer mais, mas ela insiste que quer e só fica contente quando vê o prato vazio, mesmo quando já está tão cheia que lhe custa a engolir as últimas colheradas.
Ao contrário de outras mamãs que se queixam porque os filhos não querem comer, eu “queixo-me” de por vezes querer que a minha coma um pouco menos. Não está contudo gorda, pesa 14 kg nos seus 95 cm, a minha amorinha grande.

Por vezes, mais do que as que gostaria, irrito-me porque nunca mais se despacha (chega a demorar uma hora para jantar, só a comida, sem contar a fruta) e digo que já chega, franzo a testa e as sobrancelhas, digo-lhe para comer senão a mamã leva o prato e ela olha-me séria e diz “não, a mana é linda”, inclina-se para mim e abraça-me dizendo “abraço bom!...” e é tão bom aquele abraço. Quando se afasta olha para mim e, se continuo de sobrancelhas franzidas, volta a repetir o seu “não” (é tão doce este não) e faz-me festinhas na testa e nas sobrancelhas para não me zangar (eh eh eh, espertinha), voltando a dizer “a mana é tão linda!” (pois és, amor, és linda!)

Quando (finalmente!) acaba de comer já tem a sua maçã pronta à espera (tem de ser maçã!) e corre para a sala de computador onde o pai lhe mostra fotos ou jogos da Dora ou o Elmo da Rua Sésamo com o qual vai aprendendo a reconhecer o abecedário e os números.
Acabo de arrumar a mesa e a cozinha, preparo leitinho para os dois e aviso que têm mais 5 minutos para brincar no computador, depois “Ró”.
E depois segue-se novo ritual que fica para amanhã (tipo cenas dos próximos capítulos!) ;)

Não, não é a amorinha ;)

11 comments:

Baguigolas said...

Saudades Vossas!
Tenho uma parecida no que se trata de "pastelice", já em quantidade nem comento. 95 cm?! acho q a M nem aos 90 chegou ainda!
Chá verde? e não faz mal? é que eu conheço o chá verde das dietas!

O que gosto mais em tudo isto são as rotinas, que sinceramente, acho mais acessivel com dois.

Jocas, grandes Sandra

Tera said...

Venho agradecer-lhe as palavras queridas que me deixou, Sandra... e desejar-lhe que viva cada momento da sua (A)Ventura de Mãe sempre com esse carinho e ternura que lhe enche o coração!
Perdi-me completamente no tempo, ao ler o seu blog! Fui, de post em post, como abelhinha de flor em flor, à procura de néctar... A sua história de amor é linda, que bom lembrar-nos que o Amor existe! E depois, toda essa "mimice" que o despontar dos seus amores pequeninos lhe inspira, é de uma ternura de nos deixar de olhos-a-nadar-em-sorrisos... Que saudade dos tempos em que os meus rebentos estavam em princípio de Primavera! Como os revejo, nessas suas descrições tão amorosas! Um beijo grande, grande, daqui até Macau..Teresa

maria-joão said...

Curioso... pensei mesmo que fosse a Amorinha.

margarida said...

Bem, pelo menos come tudo! Eu queixo-me do pouco tempo que o André quer estar à mesa. Já em termos de negociações o Pedro também faz o mesmo que o Daniel!

bjinhos

Patrícia said...

Relatos bastante comuns em muito boas casas!
Um que não quer comer mais, outro que come tudo mas demora "horas"!
Fico à espera dos próximos capítulos...
Bjs

Sofia e Beatriz said...

Tens dois filhotes bem diferentes, na alimentação:P
E agora ficamos à espera, dos próximos capitulos... estou a gostar!!!!

Beijinhos Nossos

sorrisos da minha alma said...

Tinha saudades de te ler...
Que bom que ambos crescem a olhos vistos, e a tua amorinha parece estar a cada dia que passa mais encantada.
Chá verde?

Beijocas para vós

Miduxe said...

Mãe mà desnaturada, que quer uma filha lingrinhas...
;p
O que vale é que pelos vistos ninguém colabora contigo,ah!ah!
Aqui o piolho mais velho começou essa fase de levar HORAS a comer e haja santa paciência mesmo,irra!
bjs

Cristina said...

A minha vai nos 98 cm e 17 quilos. Estamos tramados. LOL
Adora comer!

Bjos

Cristina

Susana (Happy Days) said...

E com essa conversa de menininha dá a volta à Mamã ;)

Beijinhos

Carla & Repolha said...

é a anita?

por cá o mesmo problema - dizer que já chega de comer. A diferença é que me irrito de tantas vez que lhe digo come devagar e mastiga antes de engolir :D

beijinhos