Wednesday, June 02, 2010

The Glass of Time By Michael Cox

Como adoro ler, sempre que vou de férias tenho de ter um livro comigo.
Em Pattaya, na Tailândia, perto do hotel onde costumamos ficar descobri uma pequena livraria com livros em segunda mão e sempre que lá vou compro livros muito baratos, em inglês/
Nas últimas férias comprei este The Glass of Time By Michael Cox e comecei a ler logo.
É um livro que se passa numa época muito antiga, é enorme, tem quase 600 páginas e tem um inglês um pouco dificil para mim que até costumo ler em inglês.
A história é muito interessante e no fim não queria parar de ler para saber qual o destino das personagens. Consegue manter-nos até ao fim a tentar descobrir o que vai acontecer.
Uma curiosidade: há uma parte que é passada na ilha da Madeira.


Imagem retirada da net


Title: The Glass of Time
Author: Michael Cox
Publisher: McClelland & Stewart, 2009
ISBN: 077102309X, 9780771023095
Length: 544 pages


Sinopse e opinião daqui:

Michael Cox's The Glass of Time is a Victorian mystery that is narrated by a vivacious and extremely intelligent central character, Esperanza Alice Gorst. Nineteen-year-old Esperanza never knew her parents and was raised in France by a kindly guardian, Madame de l'Orme, and tutored by a brilliant scholar named Basil Thornhaugh. Esperanza has been hired to be a lady's maid for a beautiful fifty-two year old widow--the 26th Baroness Tansor, formerly Miss Emily Carteret. Emily is the fabulously wealthy mistress of Evenwood, a magnificent estate "more ravishing to the senses than any sultan's palace." However, she does not enjoy peace of mind, since she has endured great tragedies. Both her father and her fiancé, Phoebus Daunt, were murdered over two decades earlier. Although she eventually married and produced two sons, Emily still mourns Daunt and thinks of him daily with great sadness.
It is no accident that Esperanza finds herself in Evenwood. Her guardian arranged for her to ingratiate herself with Lady Tansor in order to accomplish a "Great Task," but Esperanza will not learn the particulars of her mission until the time is right. Meanwhile, she keeps a journal, her "Book of Secrets," in which she carefully records all of her opinions and observations: She senses that Emily will never marry again, since "marriage would bring her no material advantage. Nor will she succumb to Love again, for her heart is shut fast against all further assaults...." Esperanza also sizes up her lady's heir, Perseus Duport, and his younger brother, Randolph, and concludes that Perseus is proud, reserved, and poetic, while Randolph is athletic, spontaneous, and genial. The household is filled with servants, a few of whom welcome Esperanza warmly. Others, including the enigmatic housekeeper, Jane Battersby, treat her with distant formality.
Cox's skillful use of language, rich character development, and evocation of the Victorian era are all superb. The author lures us into his world so completely that we soon feel as if we inhabit it ourselves. Since we know nothing more than Esperanza does about her "Great Task" (although there are several clues that point to the truth) we are riveted by the gradually unfolding drama that proves to be grandly theatrical. Cox's story is Dickensian in scope, with a huge cast that only a devoted and meticulous reader will be able to follow. The narrative is filled with betrayals, murders, conspiracies, leering villains, a touching romance, impossible coincidences, and hidden documents. The themes are familiar ones: We can never escape our true destiny; our misdeeds have a way of catching up with us; secrets and lies have a way of destroying both the perpetrators and their victims.
Unfortunately, The Glass of Time is almost undone by its dense and convoluted plot. At almost six hundred pages, the book could have been trimmed and simplified with no loss of coherence. The ending, in particular, veers into melodrama and contains a few too many twists and turns that border on the ridiculous. Nevertheless, the talented Michael Cox has produced an engrossing work of fiction that could have been an unqualified success had it been less complex and more realistic.


Em português aqui:
""O Sentido da Noite - Uma Confissão" de Michael Cox
História narrada na primeira pessoa, “O Sentido da Noite – Uma Confissão”, relata a cruzada de Edward Glyver para repor uma verdade cuidadosamente escondida e que lhe é revelada ao remexer papéis deixados pela mãe escritora falecida. Glyver reúne as peças de um intrincado puzzle e conclui que a identidade que julgava ser a sua, intocável e autêntica, era na realidade uma identidade criada, produzida artificialmente para que a sua origem nunca fosse descoberta.Tudo começa com um acto de vingança por parte da verdadeira mãe de Edward, Laura, Lady Tansor. Casada com um dos nobres mais ricos de Inglaterra, pediu a Lord Tansor que uma dívida contraída pelo pai fosse perdoada; perante a recusa do marido e subsequente morte do pai, Laura decide ocultar a gravidez do filho primogénito por que o Barão tanto aguardava viajando para França na companhia da sua grande amiga e coadjuvante na intriga perpretada, Simona Glyver. Concebe o filho em França, entrega-o aos cuidados extremosos de Simona e parte para Evenwood sem a criança.Edward cresce como Edward Glyver e apenas reconhece como mãe Simona Glyver que escreve romances para os sustentar após a morte de um marido ausente. É um estudante brilhante mas, impossibilitado de ingressar na universidade devido a uma calúnia montada pelo suposto melhor amigo, Phoebus Rainsford Daunt, Edward encontra uma alternativa à vida académica de que se vira bruscamente privado e que o leva a frequentar círculos bibliófilos sobretudo na Alemanha e a compilar informação e conhecimento suficientes para manter longas discussões e troca de opiniões com os mais eruditos bibliófilos.Ao morrer, Simona deixa alguns papéis aos quais Edward se agarra numa tentativa de prender a memória da mãe, mas rapidamente compreende que algo de errado e sobretudo de dúbio relativamente às suas origens se apresentava nesses escritos e mesmo em algumas recordações débeis que ele próprio retinha e que dificilmente conseguia explicar.Ao descobrir a verdade acerca das suas origens nobres, Edward lança-se numa cruzada de busca de provas que permitam a Lord Tansor reconhecê-lo como seu legítimo herdeiro. Sobretudo porque é-lhe comunicado que Lord Tansor, após ter perdido toda a esperança no nascimento de um herdeiro através de um segundo casamento consumado após a morte de Laura, nomeara como seu sucessor nem mais nem menos que Phoebus Rainsford Daunt, entretanto “adoptado” por Sua Senhoria como o herdeiro que nunca tivera.O objectivo de Edward torna-se duplo: herdar o que é seu por direito de nascimento e retirar ao seu rival aquilo que mais uma vez lhe queria roubar.Depois de peripécias várias que incluem a traição amorosa para recuperação de papéis na posse de Edward e que lhe dariam Evenwood, a mansão das suas recordações de menino e centro do mundo Tansor, Edward percebe que nunca mais recuperaria o que era seu (e chega a confrontar o Barão, seu pai, com os factos mas já sem provas, sendo naturalmente escorraçado como farsante e vigarista) e inicia um ciclo de vingança seu que culminaria com a morte de Phoebus, o homem que lhe tirara tudo. Mas antes de matar Daunt, Edward desfere um golpe mortal num homem inocente, apenas para saber se era capaz.Assistimos à transformação de um homem bondoso num assassino, é certo que acicatado pelas circunstâncias em que se desenrolara a sua vida, mas assistimos igualmente a um homem que se vinga do seu inimigo mas que vive eternamente atormentado pela morte que infligira a um inocente transeunte num beco da Londres vitoriana."

2 comments:

IMaria said...

pelo que aqui expões, parece de facto um livro interessante. E o chato, para mim, saõ o número de páginas. Acabei de ler um, com mais de 550 e nas últimas, 100 páginas, já estava farta, apesar de curiosa de saber o deu fim. Foi o livro " A fórmula de Deus" do jornalista, José Rodrigues dos Santos.

BFSEMANA.

margarida said...

Eu tb adoro ler mas essa parte anda muito descurada, ultimamente. Quando a filhota mais pequenina estiver maior um bocadinho, espero retomar. E lês em Inglês?! Eu teria que ter um dicionário à beira, pois com certeza iria aparecer muito vocabulário que não sei!

bjinhos