Monday, June 25, 2007

PRIMEIRA

Não sou uma pessoa calma.
Não consigo estar parada, faz-me confusão, deixa-me irritada e nervosa.
Dou razão ao provérbio “Parar é morrer” e passo o tempo a inventar coisas para fazer quando não tenho nada que fazer seja em casa ou no trabalho, embora cada vez precise de inventar menos e tenha menos tempo para fazer o que é preciso fazer...

Reconheço que paciência também não é o meu forte embora consiga resistir muito tempo e seja uma pessoa mais calma e paciente desde que fui mãe.
Com o primeiro filho aprendi muito e quando a amorinha nasceu já era uma pessoa muito mais paciente. Obrigada boneco por tudo o que tens ensinado à mamã. És o primeiro e serás sempre o primeiro a fazer muitas coisas e é contigo que a mamã aprende todos os dias.

Também há dias em que perco a paciência muito mais facilmente do que gostaria e que a confusão em que a minha vida anda muito contribui para tal.
E tanta “desculpa” para quê? Pois, para dizer que a amorinha levou no domingo à sesta a primeira palmada “a sério” da vida dela e que eu me senti cheia de remorsos depois.
Porque eu ando cansada, irritada e preocupada e porque ela é uma pestinha adorável que testa a minha paciência ao limite e eu até me tenho saído bem, mas no domingo estava já demasiado cansada e irritada.

Porque a deitei para dormir a sesta e depois fomos à casa de banho 3 vezes em menos de 30 minutos, mas ela ia dormir sem fralda e eu já estava preparada para tal e porque todas as vezes que foi à casa de banho houve direito a xixi e muito mimo, mas o regresso à cama é que era complicado.
Quase uma hora de muita fita, muito choro e gritaria à mistura, a pôr-se de pé e atirar com o Noddy, o Piu Piu e a fraldinha de pano (que dormem sempre com ela) para o chão, a almofada e o lençol para a tapar. Depois de ralhar, de a mandar deitar e de ela continuar a gritar não como se lhe estivessem a fazer mal saiu uma palmada no rabito, mas com mais força do que queria (esquecendo-me que ela não tinha a fralda que tem sempre) e ela surpreendida chorou, aquele choro sentido e sem som que me fez doer o coração e a alma e abraça-la a pedir-lhe desculpa e a dar-lhe beijinho no rabito vermelho e com os meus dedos marcados...

Ela acalmou-se, ajeitou-se e dormiu minutos depois (quase uma hora de luta também a deve ter deixado cansada...). Eu fui para a cozinha acalmar a irritação, a prometer a mim mesma que para a próxima vou ter mais calma... E eu que detesto bater-lhes! Que defendo o não bater, o explicar, castigar, mas não bater e depois dou este “bom” exemplo...

21 comments:

mãe tataruga said...

Compreeendo-te, tambem muitas vezes me esqueço que já não há fralda e o que deveria ser uma sacudidela sai com mais força..
enfim... acabo por fical pior que ele
beijinhos e boa semana

rute29 said...

Olha tambem te compreendo ainda na sexta feira a minha D de quase 7 anos deixou cair verniz das unhas em cima da minha colcha nova depois de a avisar 1000x que não se mexe , olha mandei-a desaparecer da minha fente para não lhe bater , mas a vontade foi mais que muita !! Por isso não te culpes eu tambem acho que não se deve bater porque acima de tudo eles sentem.-se humilhados e nós péssimas , mas pronto já passou !!
beijinhos e nada de culpas!!

María&Peste said...

Haja paciência!!! Eu nunca dei palmadas, defendo o não bater, mas não te martirizes, já passou! Nós não somos de ferro, bolas! Bjnhos

Teresa- filipeecompanhialda.blogspot.com said...

Pois às vezes também não as consigo evitar e também são na hora das sestas...
Beijinhos

Mamã trintona said...

Apesar do piolhito ainda ser tão pequenino, por vezes, esqueço-me disso e acabo por lhe dar uma palmada. è que ele tirame mesmo do sério. Claro que, depois, acabo por ficar cheinha de remorsos e, apesar de me apetecer agarrá-lo e dar-lhes muitos miminhos, não o faço para que ele perceba que, realmente, fez mal. Não quero dizer com isto que seja apologista das palmadas mas é que, às vezes, não dá mesmo para segurar.
Joquinhas
Sofia

Piquinota said...

Não te martirizes... Já passou!
Da próxima correrá melhor!


Jinhos

Sandra said...

...Nada que já não me tivesse acontecido, infelizmente...

Já passou!

Um grande beijinho,

Sandra

Costinhas said...

Menina, acho que nem a mãe mais paciente do mundo já se livrou de uma palmada saída de um impulso.

um beijo... já passou!

Cláudia said...

Deixa lá...uma palmadinha nunca fez mal a ninguem...
Apesar de mt vez nos doer mais a nós (ainda n devia falar por mim, porque não tenho filhos e nunca bati em nenhuma criança, mas é a minha opinião)

sorrisos da minha alma said...

Não te deves martirizar por isso!
O cansaço muitas vezes dá conta de nós e depois embirramos também nós por tudo e por nada...
Jocas

Maria said...

Não quer dizer que sejamos maus pais por darmos uma palmada aos nossos filhos, nós depois sentimos-nos muito mal, mas às vezes eles fazem-nos mesmo perder a cabeça...

Beijocas e boa semana

Maria Pereira

www.era1xeu.blogs.sapo.pt

Gabriela said...

É o cansaço que nos transforma.
Peço a Deus para nunca me levar a dar uma palmada, nem ao de leve, ao meu rico filho, pq conheço-me o suficiente para afirmar que iria martirizar-me tempos e tempos!Mas, tenho consciência que me pode acontecer e que não serei pior mãe por isso.
Não penses mais nisso... faz parte do processo educativo.
Tu és uma mãe maravilhosa.
A descrição que fazes de ti mesma tem tantos pontos comuns com a minha maneira de estar e ser!
Boa semana!
Beijocas
gabriela

Miduxe said...

Pois o que me custa nessas situações é o não ter paciência para certas reacções deles que são normais e não querer, por estar cansada, continuar a procurar outras soluções, sem ser a palmadinha...
E o pior é que as palmadas, a longo prazo, não funcionam...eles deixam de ter "medo" depressa, pois nós só "sacudimos o pó"... se saiu com mais força foi sem querer...
Acontece!

Grilinha said...

Ui...bem sei que a sensação de culpa é TERRÍVEL...mas uma palmadita sem exemplo nunca fez mal a ninguém. Somos mães, queremos dar o nosso melhor, mas não somos perfeitas. Às vezes o cansaço e a impaciência falam mais alto. O mais importante é que acabas por reflectir sobre isso e isso é bom. Aprendemos com o tempo...e eles também...mesmo que seja à custa de uma palmadoca no rabiosque ! Beijinhos tranquilos

Tânia said...

Tenho a certeza que um dia destes escrevo um post assim... Porque sou como tu e porque somos humanas...
:)
Beijocas

E obrigada pela tua descrição de mim... Fez-me cá um sorrisão... ;)

carla m. said...

Doeu te mais a ti que a ela na certa, já passou, não te culpes por isso,es humana, a paciencia por vezes esgota se e dfepois a culpa fica em nos. Ela já nem se deve lembrar.
Beijos grandes

Andrea said...

A paciência também tem limite...
Beijos!

PS - Tens destaque no meu cantinho!

Fofinha da Mamã said...

Como já disseram aqui nimguem é de ferro e qdo estamos mais cansadas e irritadas ás vezes é o que aconteçe a nossa paciência esgota, mas sem fraldinha deve ser mais doloroso mas ñ fiques assim já passou agora dá-lhe mtos miminhos e beijinhos e ela esqueçe :o)
Tb não sou mto apologista de bater evito sempre também.

jinhos mto mto mto fofinhos

Kelly said...

O que vale é que deste conta do teu erro e reconheceste o que te levou a isso.
Tenta evitar essa situação de futuro e não te tortures com isso...
Quem nunca errou?
Os filhos não são perfeitos, mas os pais também não....

Anabela & Lara said...

as vezes tb me esqueço que nao tem fralda

:)

Isabel said...

até fiquei comovida com o teu posto...
somos humanas e como tal Às vezes não nos conseguimosa controlar como queríamos e depois vem a culpa e o sentimento de termos falhado...
faz parte da nossa aprendizagem como mães, custa mas torna-nos mais fortes e melhores ...